Protocolo de Biossegurança

PROTOCOLO DE BIOSSEGURANÇA

A Faculdade Integral Cantareira, dentro do que orienta a Portaria Nº 572, de 1º de julho de 2020, integra esforços para o desenvolvimento de atitudes destinadas à segurança dos seus alunos, professores e colaboradores, através das seguintes ações:

I –        promover a divulgação no ambiente escolar, das regras e orientações para colocação, uso, retirada e descarte correto e seguro de máscaras e medidas de prevenção ao contágio;

II –       atuar de forma integrada com serviço de segurança e de medicina do trabalho;

III –      incentivar a implementação de medidas de prevenção e de controle, por toda a comunidade escolar, para evitar ou reduzir ao máximo a transmissão de micro-organismos;

IV –      estimular ações para manutenção de um ambiente seguro e saudável para alunos, servidores e colaboradores.

A seguir, seguem ORIENTAÇÕES MÉDICAS, de PREVENÇÃO e de ACESSO ÀS SUAS INSTALAÇÕES, extraídas parcialmente do MANUAL DE COMBATE AO COVID-19, elaborado para a Faculdade Integral Cantareira pelo INSTITUTO PAULISTA de HIGIENE, MEDICINA FORENSE E DO TRABALHO, versão 01, novembro de 2020.

 

PROTOCOLO DE ATUAÇÃO NA CHEGADA/SAÍDA DO PÚBLICO À FACULDADE

 

Em razão da necessidade de mitigação do risco de transmissão do COVID-19, alguns procedimentos precisam ser adotados, entre eles:

  • Delimitação da porta /portaria pela qual o público irá entrar e sair da Faculdade, sendo vedada a entrada por outro local;
  • Não será permitida a entrada de nenhuma pessoa no interior da Faculdade sem o uso de máscara de proteção;
  • Entrada e saída em horários escalonados.
  • Se for o caso, deverá ser definido os horários de entrada e saída de forma escalonada, evitando a aglomeração de pessoas;
  • Aferição de temperatura de todos que ingressam no interior do Faculdade, inclusive dos estudantes.

Conforme literatura médica, a temperatura a ser considerada como “febre” dever ser acima de 37,8º C. Recomendamos ainda que sejam realizadas pelo menos duas medições na sequência, quando a temperatura estiver acima deste valor.

Deve ser fornecido ao responsável pela medição, que está realizando o procedimento, orientação sobre o correto uso do termômetro, conforme bula do fabricante, além de exigir que o mesmo utilize o chamado “Face Shield” de forma de adequada. Também deve ser orientado quanto a necessidade de higienização deste EPI.

Caso a temperatura, após duas medições, estiver 37,8º C ou acima, a entrada do indivíduo nas dependências da Faculdade não será permitida.

Esta medição será realizada pelos seguranças das empresas terceiras.

  • Há uma sala específica de “quarentena”, na qual os estudantes com temperatura igual ou superior a 37,8º C deverão ficar até que os responsáveis venham buscá-lo, em casos específicos;
  • Os ingressantes deverão higienizar suas mãos com o álcool gel à 70%, disponibilizado na entrada na Faculdade.

 

ORIENTAÇÕES MÉDICAS

 

1 – O QUE SÃO CORONAVÍRUS? E O COVID-19?

Os coronavírus são uma grande família de vírus que podem causar desde resfriados comuns até doenças respiratórias mais graves. O mundo já passou por algumas epidemias de coronavírus no passado, como a SARS e a MERS. Em dezembro de 2019, na China, foi descoberto um novo vírus (SARS-CoV-2) que é o responsável pela doença COVID-19.

Trata-se de um vírus com alta infectividade e, em casos graves, acarreta processo inflamatório intenso como resposta do organismo ao vírus. Estima-se que 80% dos casos serão leves, contudo, os casos graves, que necessitarem de cuidados de terapia intensiva, podem evoluir para o óbito, principalmente no grupo de risco, que consiste em idosos e indivíduos com comorbidades.

 

2 – FORMAS DE TRANSMISSÃO E CONTÁGIO

A transmissão do vírus ocorre através de gotículas expelidas pelo nariz/boca, quando uma pessoa infectada tosse, fala ou espirra. Isto pode ocorrer em pessoas que tenham sintomas leves e mesmo que não se sintam doentes, sendo este o principal problema desta doença. Os indivíduos assintomáticos, que não sentem nada, podem transmitir a doença sem sequer saberem que estão com o vírus.

Essas gotículas podem ficar depositadas em objetos ou superfície por horas e outras pessoas podem adquirir o vírus ao tocar nesses objetos ou superfícies contaminadas e depois tocar olhos, nariz ou boca.

Também podem se infectar ao respirar diretamente gotículas respiratórias de uma pessoa infectada quando ela tosse ou espirra ou pelo contato direto, como toque ou aperto de mão.

Por isso, é importante manter o distanciamento de 2 metros entre as pessoas, lavar as mãos com água e sabão, ou álcool gel, com frequência, além do uso de máscaras de proteção por todos.

 

3 – PERÍODO DE INCUBAÇÃO

O período médio de incubação por coronavírus é de 4-5 dias, com intervalos que chegam a 14 dias, período em que os primeiros sintomas levam para aparecer desde a infecção.

 

4 – TRANSMISSIBILIDADE

A transmissibilidade dos pacientes infectados por SARS-CoV-2 é, em média, de 14 dias após o início dos sintomas. No entanto, dados preliminares do coronavírus (SARS-CoV-2) sugerem que a transmissão possa ocorrer mesmo sem o aparecimento de sinais e sintomas.

 

5 – SINTOMAS

A COVID-19 tem por característica apresentar os chamados sintomas gripais, sendo sua manifestação muito parecida com uma gripe comum. Geralmente, é uma doença leve ou moderada, porém, alguns casos podem ficar graves.

Os sintomas mais comuns são:

– Febre (>37,8o C);

– Tosse;

– Dispnéia (falta de ar);

– Perda do Olfato e Paladar;

– Mialgia (dor muscular) e fadiga;

– Sintomas respiratórias de vias aéreas superiores (espirros, secreção nasal, dor de garganta, etc);

– Sintomas gastrointestinais (diarreia).

Esses sintomas geralmente são leves e começam gradualmente.

A maioria das pessoas (cerca de 80%) se recuperara da doença sem precisar de tratamento especial. Cerca de 1 a cada 6 pessoas podem apresentar a forma grave da doença.

A Secretaria Especial de Previdência e Trabalho, do Ministério da Economia, publicou a Portaria 20/2020, indicando como grupo de risco os trabalhadores com 60 anos ou mais, além de algumas comorbidades:

  • Cardiopatias graves ou descompensadas (insuficiência cardíaca, infartados, revascularizados, portadores de arritmias, hipertensão arterial sistêmica descompensada);
  • Pneumopatias graves ou descompensadas (dependentes de oxigênio, portadores de asma moderada/grave, doença pulmonar obstrutiva crônica – dpoc);
  • Imunodeprimidos;
  • Doentes renais crônicos em estágio avançado (graus 3, 4 e 5);
  • Diabéticos, conforme juízo clínico;
  • E gestantes de alto risco.

Até o momento, não há informações suficientes de quantos dias anteriores ao início dos sinais e sintomas uma pessoa infectada passa a transmitir o vírus, mas, novos estudos têm demonstrado que este período seria de 2 dias. Algumas pessoas são infectadas, mas não apresentam sintomas ou apresentam sintomas leves, quase imperceptíveis.

 

6 – DIAGNÓSTICO

O diagnóstico do Covid-19 é confirmado por teste laboratorial.

O diagnóstico laboratorial é realizado por meio de transcriptase – reversa Polymerase Chain Reaction (RT-PCR), em tempo real e sequenciamento parcial ou total do genoma viral ou por meio de um teste que detecta anticorpos produzidos pelo nosso organismo contra o vírus, chamados de exames sorológicos.

Cada tipo de exame possui uma indicação especifica e deve ser realizado em momentos específicos da confirmação ou suspeita de COVID-19.

Os exames sorológicos também podem ser realizados para verificarmos a situação de imunidade ou não de determinada população. Importante destacarmos que os testes devem ser sempre avaliados considerando os sintomas clínicos e sinais apresentados pelo indivíduo.

Importante lembrar que testes negativos em indivíduos com sintomas sugestivos de COVID-19 devem ser avaliados com cuidado, uma vez que estes testes podem levar muitos dias para se positivarem.

A Portaria SEPT 20/2020 realiza a distinção entre três grupos, a saber:

  1. CASO CONFIRMADO:
  • Resultado de exame laboratorial, confirmando a COVID-19, de acordo com as orientações do Ministério da Saúde; ou
  • síndrome gripal ou Síndrome Respiratória Aguda Grave – SRAG, para o qual não foi possível a investigação laboratorial específica, e que tenha histórico de contato com caso confirmado laboratorialmente para a COVID-19 nos últimos sete dias antes do aparecimento dos sintomas no trabalhador.
  1. CASO SUSPEITO:
  • Considera-se caso suspeito o indivíduo que apresente quadro respiratório agudo com um ou mais dos sinais ou sintomas: febre, tosse, dor de garganta, coriza e falta de ar, sendo que outros sintomas também podem estar presentes, tais como dores musculares, cansaço ou fadiga, congestão nasal, perda do olfato ou paladar e diarreia .
  1. CONTATANTE:
  • ter contato durante mais de quinze minutos a menos de um metro de distância;
  • permanecer a menos de um metro de distância durante transporte;
  • compartilhar o mesmo ambiente domiciliar; ou
  • ser profissional de saúde ou outra pessoa que cuide diretamente de um caso da COVID-19, ou trabalhador de laboratório que manipule amostras de um caso da COVID-19 sem a proteção recomendada.

 

ORIENTAÇÕES DE PREVENÇÃO

 

PROTOCOLO DE ATUAÇÃO GERAL NO TRABALHO

  • Orientar o público sobre prevenção de contágio pelo coronavírus (COVID-19) e a forma correta de higienização das mãos e demais medidas de prevenção;
  • A higiene das mãos deve ser realizada com utilização de água e sabonete ou, caso não seja possível a lavagem das mãos, com sanitizante adequado para as mãos, como álcool a 70%;
  • Devem ser disponibilizados recursos para a higienização das mãos próximos aos locais de trabalho e circulação, incluindo água, sabonete líquido, toalha de papel descartável e lixeira, cuja abertura não demande contato manual, ou sanitizante adequado para as mãos, como álcool a 70%.
  • Obrigar a higienizar as mãos antes de assumir o posto de trabalho, principalmente quando chegam ao trabalho ou nos horários em que deixam o posto de trabalho;
  • Obrigar o uso de máscaras de proteção por todos os trabalhadores e de terceiros que ingressem no interior da empresa;
  • Orientar sobre evitar tocar boca, nariz, olhos e rosto com as mãos e sobre praticar etiqueta respiratória, incluindo utilizar lenço descartável para higiene nasal, cobrir nariz e boca ao espirrar ou tossir e higienizar as mãos após espirrar ou tossir;
  • Priorizar agendamentos de horários, caso atendam o público, para evitar a aglomeração e para distribuir o fluxo de pessoas;
  • Priorizar medidas para distribuir a força de trabalho ao longo do dia, evitando concentrá-la em um turno só́;
  • Limpar e desinfetar os ambientes e áreas comuns no intervalo entre turnos ou sempre que houver a designação de um trabalhador para ocupar o posto de trabalho de outro;
  • Reforçar a limpeza de sanitários e vestiários;
  • Adotar procedimentos para, na medida do possível, evitar tocar superfícies com alta frequência de contato, como botões de elevador, maçanetas, corrimãos etc;
  • Reforçar a limpeza de pontos de grande contato como corrimões, banheiros, maçanetas, terminais de pagamento, elevadores, mesas, cadeiras etc;
  • Privilegiar a ventilação natural nos ambientes. No caso de aparelho de ar-condicionado, evite recirculação de ar e verifique a adequação de suas manutenções preventivas e corretivas. Sendo possível, os aparelhos de ar-condicionado devem ser mantidos desligados;
  • Evitar o compartilhamento de utensílios, equipamentos e materiais de uso e manter distanciamento, quando possível, dos pontos de trabalho;
  • Evitar deslocamentos de viagens e reuniões presenciais, utilizando recurso de áudio e/ou videoconferência em seu lugar;
  • Os colaboradores devem ser orientados sobre o uso de máscaras de proteção e demais medidas de proteção nos transportes coletivos públicos;
  • Adotar medidas para aumentar o distanciamento e diminuir o contato pessoal entre as pessoas, orientando para que se evitem abraços, beijos, apertos de mão e conversações desnecessárias;
  • Deve ser mantida distância mínima de um metro entre os trabalhadores e o público;
  • Se o distanciamento físico de ao menos um metro não puder ser implementado para reduzir o risco de transmissão entre trabalhadores, alunos, clientes, usuários, contratados e visitantes, além das demais medidas previstas, deve-se:
  • para as atividades desenvolvidas em postos fixos de trabalho, manter o uso de máscara cirúrgica ou de tecido e adotar divisórias impermeáveis ou fornecer proteção facial do tipo viseira plástica (face shield) ou fornecer óculos de proteção;
  • para as demais atividades, manter o uso de máscara cirúrgica ou de tecido.
  • Devem ser adotadas medidas para limitação de ocupação de elevadores, escadas e ambientes restritos, incluindo instalações sanitárias e vestiários;
  • Deve-se demarcar e reorganizar os locais e espaços para filas e esperas com, no mínimo, um metro de distância entre as pessoas.

 

Publicado em 28/01/2021